Ela mudou de carreira e hoje é muito mais feliz

Isso me Inspira  /   / Por Aline Mello  /  Por
0 comments

Quando se formou em Direito no interior do Rio Grande do Sul, a única certeza que Aldrey Zago tinha era que queria ir para a capital. Chegando lá, logo no começo da carreira, ela conseguiu passar em um concurso e ganhava o suficiente para se sustentar em Porto Alegre, conciliando o emprego com uma pós-graduação. Mas isso não era suficiente para ela, que hoje é dona da AZM Assessoria em Câmbio.

“Como funcionária pública você ganha sempre a mesma coisa, e isso para mim não era legal porque eu sabia que eu podia conseguir mais”, explica ela. Foi então que Aldrey se aproximou da área da bolsa de valores e câmbio, com a ajuda de um parente que trabalhava na área. Por três meses, a empreendedora conciliou plantões no funcionalismo público, o trabalho com o parente e os estudos para a prova da CVM Ancord, com a qual conseguiu o certificado de agente de investimentos, para trabalhar como sócia com o familiar que já era agente na área.  

Dois anos depois da mudança de carreira, após alguns atritos com o sócio, Aldrey percebeu que precisava trabalhar em outro lugar. “Cheguei um dia pra trabalhar e não conseguia entrar no elevador”, conta ela, que deu meia volta e quando ainda estava a poucos metros do antigo trabalho, recebeu uma ligação que mudaria tudo. Quando, do outro lado da linha, um cliente de Pelotas pediu para comprar 4 mil dólares, Aldrey se viu respondendo que estava saindo da empresa para abrir seu negócio próprio.

Foi assim, quase que por impulso, que nossa entrevistada se viu empreendedora. Aldrey já desligou o telefone com o contato de corretoras de câmbio para fazer parceria e, na mesma semana já começou a estruturar a AZM Assessoria em Câmbio.

“Somos empreendedores desde criança. Falta só uma coisa que faça você despertar e agir.”

No começo, o dinheiro era pouco, e a ansiedade era muita. “Eu peguei todas as minhas economias para abrir a empresa”, lembra Aldrey, “não tinha dinheiro nem para pegar ônibus”.  Mas a empreendedora encontrou um diferencial que há cinco anos fideliza cada vez mais clientes – segundo ela, 90% deles vêm por indicação.

“Sempre gostei muito de viajar, mas sempre achei muito fria a relação com as operadoras de câmbio”, explica Aldrey, que resolveu fazer diferente. Hoje, muito mais do que câmbio, o trabalho da AZM é fazer uma consultoria completa, especialmente para quem está viajando. Isso já começa na escolha do momento para trocar a moeda. Aldrey faz o monitoramento diário da moeda e envia as oscilações por Whatsapp para os clientes, ajudando-os a entender que dia o câmbio é mais vantajoso. “Comecei a mostrar que ele não está trocando dinheiro por dólar, e sim por experiência, por cultura, por um sonho”, afirma a empreendedora. Essa mentalidade acabou expandindo o trabalho da AZM com outros serviços como seguro viagem, assessoria jurídica para o viajante, passagens aéreas, e até assessoria de migração para outros países.

“Ter carinho pelo seu trabalho faz toda a diferença.”

“A gente sempre cuida pra não perder a essência lá do início”, declara Aldrey, que, há um ano, tem o marido, Alessander, como sócio. É por essa preocupação que a empreendedora não abre mão de fazer o primeiro atendimento com todos os seus clientes. Por conta dessa relação próxima, a equipe acaba acompanhando a vida de muitos clientes fiéis. “Tem casais que a gente conheceu namorando, acompanhou o pedido de casamento na Europa, vendemos passagens para a lua de mel, e nos procuraram de novo para fazer o enxoval em Miami”, conta Aldrey.

Essa fórmula de um atendimento mais especializado e humano têm dado muito certo: mesmo com a crise, a AZM cresceu em 2016 e seus sócios pretendem continuar crescendo. “Temos a meta de crescer mais 20% esse ano”, afirma Aldrey, que tem como objetivo investir mais em marketing em 2017, e tem planos de reformular o site da empresa.

A ansiedade e as noites mal dormidas passaram, mas a rotina da empreendedora continua intensa: Aldrey concilia o tempo no escritório com reuniões, palestras e ainda treinos diários de triatlo. Mas a correria vale a pena, e é necessária, como lembra Aldrey: “Quando a sua empresa está estabilizada, é preciso inventar algo novo. O mercado é muito ativo, não dá pra ficar para trás”.

Comentários

Posts Relacionados

“Eu gosto de dizer que um mais um são três”. É assim que Claudia Pires, criadora e sócia da startup...

O dia de trabalho ou de estudos de uma pessoa envolve locomoção durante o dia, seja pegando metrô,...

Gabriela Corrêa nunca se intimidou com profissões comumente associadas aos homens. Depois de...

Leave a Reply