0 comments

Após dez anos de uma carreira sólida como executiva de marketing, Tânia Macriani decidiu dar um passo ousado: largar a estabilidade de uma multinacional e começar a própria empresa, para poder ficar mais perto do filho que acabara de nascer. Hoje, vinte anos depois, Tania sabe que não poderia ter tomado decisão melhor. A MHD Consultoria completa 20 anos, fazendo consultoria para pequenas e médias empresas e gestão de projetos de marketing.

“Empreender é um desafio no Brasil. Mas eu faria tudo de novo”

Para Tânia, a paixão pelo empreendedorismo veio de berço: “Minha mãe era cabeleireira e meu pai comerciante”, conta ela – que fez a faculdade de Marketing também influenciada por essa vivência. “Na época, você ainda tinha que explicar o que era marketing, ninguém entendia o real valor do estudo de mercado”, lembra. A decisão de começar a própria empresa também veio em um momento em que não havia tanto incentivo aos empreendedores no Brasil, muito menos para as mulheres, que felizmente hoje têm à disposição cada vez mais iniciativas de incentivo ao empreendedorismo feminino.

Antes de começar a estruturar a MHD Consultoria, Tânia e o marido conversaram muito sobre como seria a divisão tarefas domésticas e os cuidados com o filho, e, segundo ela conta, isso fez toda a diferença para buscar o bem-estar e sucesso almejado como empreendedora. “Meu marido também é um executivo e nós sempre tivemos a consciência de que casa e filho se partilham”. Ambos queriam manter a carreira, mas a família sempre foi uma prioridade: “Conversávamos muito sobre a importância de ter tempo para brincar para acompanhar seu desenvolvimento e não terceirizar a educação”.

“Seu filho vai chorar de saudade às vezes, sim. Mas ele também vai desenvolver orgulho e respeito pela mãe”

Mas é claro que nem tudo são flores. “Tem que arar terra”, brinca a empreendedora. “Quando você sai de longo período em uma grande empresa, fica um tempo sem sobrenome. ‘Essa é a Tânia de onde?’”, argumenta. Conciliar a família com a empresa também não é fácil. “Seu filho vai chorar de saudade e você também, mas é muito melhor ter o reencontro, do que chorar de frustração depois”, defende ela.

Foram muitas noites viradas e alguns sacrifícios ao longo do caminho, mas hoje Tânia se sente realizada por tudo que conquistou. “Eu pude realizar meu sonho, de conscientizar as pessoas sobre a importância do marketing”, afirma ela. Sua experiência à frente no próprio negócio também motivou a compartilhar o que aprendeu com outros empreendedores. Tânia já foi parceira e conteudista de empreendedorismo do SEBRAE por 10 anos, dá aulas de Empreendedorismo no SENAC há três, e, há sete anos, é professora convidada do Programa Dez Mil Mulheres da Goldman Sachs Foundation na FGV.

O apoio a empreendedores também está no cerne do seu trabalho na MHD Consultoria. “Segmentei a empresa em consultoria para pequenas e médias empresas para poder dar um apoio mais amplo”, explica Tânia. Em paralelo, ela continua trabalhando com grandes empresas, fazendo projetos de marketing, de estudos de mercado a lançamento de produtos. “É extremamente gratificante ajudar o empresário, especialmente no caso da mulher, a realizar o seu sonho”, conta ela.

“Para empreender é preciso acreditar no seu sonho, mas buscando estrutura para que ele se torne realidade”

Para quem quer apostar no mundo do empreendedorismo, Tânia aconselha: “Não se aventure sem um bom planejamento, sem um plano de contingência, sem entender o seu consumidor”. Segundo ela, para empreender é preciso ter um Plano A, um Plano B, e um Plano C. Ter apoio também é essencial – e aconselha sempre em suas aulas e palestras que todas as empreendedoras a participarem de redes e grupos. “Conhecimento se multiplica”, conclui.

Para os próximos anos, ela pretende ampliar seus projetos e os da MHD Consultoria na área de empreendedorismo, além de muitos outros projetos pessoais. “Hoje estou com 54 anos, mas me sinto com energia para mais uns 20 anos de trabalho. E quando me aposentar vou surfar, saltar de paraquedas…”, brinca Tânia.

Comentários

Posts Relacionados

Quando decidiu estudar ciência da computação, o plano da Camila Achutti era o de trabalhar na NASA....

Com apenas 17 anos, Natália Pereira saiu de Pirassununga, interior de São Paulo, para ganhar o...

A história da Michelle Fernandes, 33 anos, a Dona Krioula por trás dos acessórios afro da Boutique...

Leave a Reply